História das Maldivas

O arquipélago das Maldivas esteve vinculado aos senhores feudais das costas indianas desde tempos remotos. Sua população é originária da península de Decã, principalmente do estado de Kerala e também da ilha de Ceilão.

As Maldivas de mão em mão

Em 1153, chegou ao arquipélago Abdul Barakatul Barbari, que converteu a escassa população ao islamismo.

Desde então, as ilhas foram governadas por um sultão, geralmente vassalo do Ceilão, o atual Sri Lanka.

Em meados do século XVI, foram ocupadas pelos portugueses, até 1573, quando foram expulsos pelo sultão Muhammad Thakurufaanu.

Desde meados do século XVII até finais do XVIII, o arquipélago esteve sob o comando do protetorado holandês.

Em 1887, a Grã-Bretanha, com o pretexto de proteger o Canal de Suez, impôs um protetorado ao sultanato, fazendo-lhe depender do governador britânico de Ceilão.

Em 1933, aprovou-se uma Constituição que transformou o sultanato hereditário em eletivo e, em 1948, constituiu-se um governo autônomo dentro da Commonwealth.

Em 1953, uma revolta popular proclamou a república, abolindo o sultanato constitucional, embora ele viesse a ser restaurado alguns meses depois.

A retirada dos britânicos de Ceilão fez com que as ilhas adquirissem um grande valor estratégico para os ingleses. Eles estabeleceram uma base militar na ilha de Gan, muito utilizada durante a Segunda Guerra Mundial.

Em 1957, produziu-se uma revolta, motivada pelo descontentamento popular com a política adotada pela aristocracia local, liderada pelo chefe de governo Muhamad Farid Didí.

A revolta derrubou o governador Didí e alçou ao poder Ibreahim Nasir, um nacionalista moderado que iniciou uma campanha a favor da independência.

Em 1960, mediante um tratado, a Grã-Bretanha garantiu a plena soberania do sultanato, embora a defesa e as relações exteriores seguissem nas mãos dos britânicos.

Paralelamente ao movimento iniciado por Nasir, produziram-se várias rebeliões contra os britânicos em 1959 e 1964.

Em 26 de julho de 1965, o país obteve a independência, permanecendo integrado como estado associado na Commonwealth, embora a Grã-Bretanha tenha conservado a posse da base de Gan até 1976, ano em que se retiraram as forças britânicas.

Em novembro de 1968, instaurou-se a república, após um referendo celebrado no mês de março do mesmo ano.

Maldivas, ontem e hoje

Tradicionalmente, a base da economia das Ilhas Maldivas esteve associada ao cultivo de milho, fruta-pão e coco, assim como da pesca e do marisco.

Embora a pesca siga sendo importante até hoje, a maioria da riqueza procede agora do turismo. Uma acertada política turística, focada no turismo de alto nível e limitado em número, fez das Maldivas um destino realmente único, inigualável por sua beleza, que atrai turistas endinheirados de todo o mundo para desfrutar deste paraíso terrestre.

Hoje em dia, as Maldivas são um dos principais destinos para os mergulhadores de todo o mundo.